EMERGÊNCIAS NO PARAQUEDISMO

EMERGÊNCIAS E SITUAÇÕES ESPECIAIS NO PARAQUEDISMO – PARTE 1

Por Ricardo Pettená                  Foto de Andrey Veselov

O paraquedismo é um esporte de risco. Riscos que podem ser minimizados ou não, porém o fato brutal tem que ser encarado: paraquedistas morrem todos os anos praticando o esporte. Saltar de um avião e pousar com segurança depende de inúmeros fatores, sendo que a maioria deles pode ser calculada e controlada. Nos Estados Unidos são quase 40.000 paraquedistas e três milhões e duzentos mil saltos realizados por ano com uma média anual de 31.8 mortes anuais desde 1963. Nos últimos 10 anos essa média baixou para 21. No Brasil temos 4.000 paraquedistas e fazemos aproximadamente 300 mil saltos por ano (estimativa) com uma média de 5.2 mortes por ano desde 2007 quando passei a manter as estatísticas como chefe do Comitê de Instrução e Segurança da Confederação Brasileira de Pára-quedismo, cargo que ocupei por seis anos. Os EUA tem um paraquedismo 10 vezes maior do que o do Brasil. Considerando que se os nossos números fossem do tamanho dos números do paraquedismo americano, proporcionalmente falando, teríamos 52 mortes por ano, ou seja, 31 a mais do que lá. Esses 147 por cento a mais podem ser minimizados. Durante nossa gestão no Comitê de Instrução e Segurança colocamos como objetivo “zerar os acidentes fatais” e trabalhamos com afinco para atingir a meta.

Uma rápida avaliação das nossas estatísticas mostra um triste cenário. Os acidentes que no Brasil já chegaram a oito num determinado ano, foram baixando ano a ano. Foram 7 em 2007, depois estabilizou em 5 por ano em 2008, 2009, 2010 e 2011. Nos anos de 2012 e 2013 tivemos 3 fatalidades e finalmente em 2014 os acidentes foram zerados. Neste ano já não estávamos mais no CIS, porém os efeitos residuais dos programas implantados eram tão eficazes que conduziram o paraquedismo brasileiro ao nosso melhor ano no que se refere ao aspecto mais importante do paraquedismo: a segurança. Infelizmente em 2015 os números voltaram a crescer e com força.Tivemos 6 acidentes fatais em 2015 e até a presente data em maio de 2016, já estamos com 3 fatalidades. Isso se deve ao fato de que todos os programas de segurança foram abandonados pelo CIS.

Individualmente falando, o primeiro passo para aumentar a segurança é reconhecer os aspectos de risco do paraquedismo e criar medidas de prevenção. O segundo passo é estar preparado para lidar com as emergências.

Ao analisarmos os fatores de risco do paraquedismo, podemos dividir em sete áreas de risco potencial:

  1. Dentro da aeronave, durante o voo
  2. No momento da saída
  3. Na queda-Livre
  4. Ao comandar a abertura do paraquedas
  5. Na abertura propriamente dita (ou na não abertura), incluindo panes, anormalidades e colisões
  6. Durante a navegação
  7. No pouso

Etapas do Salto - emergencias

Todos paraquedistas aprendem no curso de primeiro salto a lidar com as emergências e situações incomuns que possam ocorrer no salto. Não apenas no salto, mas desde que nos aproximamos da aeronave para embarque. Os problemas podem ocorrer na decolagem, durante a subida, no momento do lançamento e saída, na queda-livre, no acionamento (comando) da abertura do paraquedas, na abertura, depois do paraquedas aberto e no pouso. Na medida que evoluimos como paraquedistas, devemos sempre relembrar as emergências e adaptá-las ao nosso novo momento no esporte. Novos equipamentos, novos velames, aeronaves diferentes, macacões diferentes, quantidade de paraquedistas no ar, áreas de pouso mais restritas, saltos de demonstração e mais uma infinidade de fatores exigem que façamos ajustes nas nossas medidas preventivas e de emergência. Estar bem preparado para agir caso seja surpreendido por uma emergência faz toda a diferença para a sua sobrevivência.

Vamos começar abordando as emergências a bordo da aeronave.

Primeira parte: Emergências durante o voo da aeronave

Uma das provas de que não podemos controlar pessoalmente toda a segurança de cada salto que fazemos, é que durante a subida até a altitude do salto, estamos dentro de um avião que está sendo pilotado por outra pessoa. Também não conhecemos a manutenção dos aviões (não conheço nenhum paraquedista que fica junto na oficina acompanhando as manutenções).

Dizer que estamos de paraquedas e que por isso o voo é seguro é, no mínimo desconhecimento. Muitas das emergências acontecem próximo ao solo, na decolagem, quando não é possível saltar e abrir o paraquedas com segurança.

Uma forma de minimizar os riscos é a utilização de cintos de segurança e capacetes na decolagem, o que é obrigatório, porém as nossas aeronaves não costumam ter cintos. No Brasil é assim: até que aconteça um acidente com graves consequências, ficamos à mercê dos proprietários das aeronaves. Para eles também existe o outro lado da moeda que é a questão da responsabilidade civil, pois no caso de um acidente, não existe desculpa pela negligência. Aqui nos Estados Unidos todas as aeronaves lançadoras estão equipadas com cintos adaptados e fáceis de utilizar.

As ocorrências durante o voo poderão exigir que os paraquedistas permaneçam a bordo ou que saltem. No último caso, podemos classificar as saídas em antecipadas ou de emergência. As saídas antecipadas são aquelas em que o salto será realizado mais baixo por razões externas: a torre de controle proibiu o salto mais alto ou um temporal está se aproximando e não haverá tempo de alcançar a altura prevista. Já as saídas de emergência são aquelas que ocorrem por panes na aeronave.

Avião

Abertura prematura dentro da aeronave: o paraquedista foi extraído.

 

 

As panes nos aviões podem ser estruturais, de motor ou fogo. Panes estruturais podem acontecer por várias razões e já ocorreram com aeronaves lançadoras no Brasil várias vezes. Numa delas, a aeronave perdeu parte da asa quando estava a 5.000 pés e entrou em parafuso. Alguns paraquedistas conseguiram sair e se salvar, outros não. Também já aconteceram várias panes de motor com desfechos diferentes em cada caso. Panes de motor acima de 1.500 pés oferecem duas possibilidades aos paraquedistas a bordo, e a decisão do que será feito é sempre do piloto. Na primeira opção o comandante pede para que os paraquedistas saltem. Na segunda, ele poderá pedir para que todos fiquem a bordo e pousará com os paraquedistas, mesmo com o motor apagado.

Resumo das emergências a bordo:

Até 1.500 pés – volta na aeronave, posição de pouso de emergência.

De 1.500 e até 3.500 pés para alunos – saída solo com mão no punho do reserva (AFF); se for aluno ASL com fita sair sentado na porta.

Acima de 1.500 para paraquedistas experientes – depende do equipamento e da experiência do paraquedista.

Acima 3.500 pés para alunos – saída solo e abertura imediata do principal.

Acima da altura de comando – saída normal e abertura na altura prevista.

Panes estruturais e fogo: saída imediata.

Devemos seguir sempre as orientações do piloto e os alunos devem seguir as orientações do seu instrutor.

Outra situação que pode acontecer a bordo é a abertura prematura de um dos paraquedas. Se o paraquedas abrir enquanto a porta está fechada, deve-se pedir para que mantenham a porta fechada. Em aeronaves pequenas (4 a 6 lugares), todos devem voltar a bordo. Em aeronaves maiores (10 a 20 lugares), manter-se afastado da porta, desequipar-se e voltar na aeronave mantendo total controle do paraquedas que está fora do container.

Se a porta estiver aberta e o paraquedista estiver afastado dela, procurar segurar o paraquedas e pedir para que a porta seja fechada imediatamente. Porém, se estiver próximo a porta e se alguma parte do paraquedas for extraída, saltar imediatamente.

No próximo artigo desta série abordarei as emergências na saída, na queda-livre e no comando de abertura do paraquedas.

 

Fale comigo: ricardo_pettena@hotmail.com

 

 

 

 

Anúncios

16 comentários Adicione o seu

  1. emanuel saraiva pinto disse:

    Excelente!

    Curtir

    1. Obrigado Emanuel. Aguardo seu e-mail me atualizando sobre o seu trabalho de treinamento físico com as equipes militares. ricardo_pettena@hotmail.com
      Agradeço sua atenção. Por favor, compartilhe com os amigos.
      Abraços,
      Ricardo

      Curtir

  2. Carlos Hager disse:

    Gostei, precisamos de mais artigos desse no cenário brasileiro, ouço em muitos lugares sobre questão de segurança, mas vejo pouca divulgação e ação sobre isso; ansioso pelo proximo artigo.

    Curtir

    1. Oi Carlos, obrigado! Como você afirmou, a questão da segurança é de fundamental importância no nosso esporte, afinal de contas queremos sempre pousar com segurança e estar em condições de subir para o próximo. Estou trabalhando na continuação do artigo. Agradeço se você puder compartilhar. Qualquer dúvida, estou sempre a seu dispor. É só escrever para ricardo_pettena@hotmail.com
      Bons saltos,
      Ricardo

      Curtir

  3. colunaesportiva disse:

    Parabéns pelo texto Ricardo, apesar de muitas das coisas que você cita provavelmente já terem sido expostas a todos os paraquedistas, é importante estarmos sempre refazendo essa leitura.
    Os números citadas são interessantes.
    Obrigado pelo trabalho desenvolvido.

    Curtir

    1. Obrigado! Realmente este assunto é (ou deveria ser) interiamente de conhecimento de todos os paraquedistas, porém muitas vezes deixamos de nos preparar para as emergências porque queremos acreditar que elas nunca vão acontecer conosco. Mas, como o risco é inerante, temos que estar sempre preparados. Por favor, compartilhe sempre para que todos os paraquedistas fiquem alertas e prontos para tomar a melhor medida se for necessário. Se tiver dúvidas, entre em contato pelo meu e-mail ricardo_pettena@hotmail.com
      Céu azul e bons pousos,
      Ricardo

      Curtir

  4. Paulo Roberto disse:

    Acabei de iniciar no paraquedismo e esse tema foi muito citado pelo meu instrutor AFF, mas nunca é demais rever o que é para nossa segurança, parabéns estou aguardando o próximo artigo.

    Curtir

    1. Olá Paulo Roberto!
      Fico feliz que você esteja iniciando no esporte. Tenha certeza que você estará passando pelas melhores emoções da sua vida: a sensação de voar é ímpar. Você já deve ter descoberto isso. Brevemente publicarei o próximo desta série. Você pode assinar o blog e receber alerta por e-mail. Se você tiver alguma questão relativa a este ou qualquer outro assunto sobre paraquedismo, basta escrever para ricardo_pettena@hotmail.com
      Arpoveite os saltos,
      Ricardo

      Curtir

  5. Gabriel Affonseca disse:

    Bom artigo

    Curtir

    1. Gabriel, muito obrigado pelo comentário. Compartilhe com os amigos paraquedistas e nos escreva se tiver dúvidas. O meu e-mail é ricardo_pettena@hotmail.com
      Abraços,
      Ricardo

      Curtir

  6. Luís Brull "visconde" disse:

    Excelente matéria!! Aguardo a continuação!!

    Curtir

    1. Luís, agradeço pelo comentário e me coloco à disposição para qualquer esclarecer dúvidas por aqui ou pelo meu e-mail ricardo_pettena@hotmail.com
      Por favor, compartilhe os posts para que consigamos atingir o maior número de paraquedistas.
      Bons saltos e céu azul,
      Ricardo

      Curtir

  7. Fabio Morado disse:

    Sou paraquedista e piloto de aeronaves e pecebo que poderíamos intensificar a divulgação de normas de seguraça no paraquedismo em forma de campanhas, cartazes, seminarios, etc. a exemplo do que o CENIPA faz na aviação. Incluindo revalidações teóricas obrigatórias a todos os atletas.
    Estive presente e acompanhei de perto dois acidentes ocorridos em Boituva no fim de 2015 e início de 2016, sobre estes acidentes não tive acesso ou ouvi falar de nenhuma recomendação de segurança oficial.
    Muitas das orientações são transmitidas no “boca a boca” e acabam distorcidas. Muitas das normas de seguraça são cotidianamente negligenciadas por puro hábito e/ou falta de conhecimento.

    Parabéns pelo trabalho Pettena !

    Curtir

    1. Obrigado Fabio! Eu concordo
      com você. A divulgação dos relatórios de acidentes é fundamental para que não se repitam os mesmos erros. Esse é um dos programas que o CIS precisa dar continuidade. Ele
      Era chamado de PEPA – Programa de Estudo e Prevenção de Acidentes e era baseado no CENIPA e era chefiado por um Cel da Força Aérea, também paraquedista civil.

      Curtir

  8. Eduardo Proft disse:

    Excelente Ricardo! O Esporte está encarecido de literatura como esta. As campanhas de segurança praticamente não existem, se é que existem. Deveriam haver mais “safety days”, mais empenho por parte da CBPQ, enfim, de todos, porque a todos interessa. De nada adianta eu estar preparado, se algum sujeito não estiver no mesmo salto.

    Curtir

    1. Concordo com você Eduardo, afinal queremos ter as condições para saltar com segurança e no paraquedismo funciona da mesma forma que na estrada: não adianta você dirigir corretamente se um motorista alcoolizado em alta velocidade atravessar a pista e atingir o seu carro.
      O “Safety Day”, ou “Dia da Segurança” como chamava-se aí no Brasil deixou de existir, bem como outros importantes programas de segurança. Obrigado pelo seu comentário. Compartilhe com a nação paraquedista. Se precisar de algo, basta escrever no e-mail ricardo_pettena@hotmail.com
      Abraços

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s